quarta-feira, 11 de março de 2009

TPA - Televisão Pública de Angola



A Televisão pública de Angola (TPA) é constituída por dois canais. Pelo pouco que já tive oportunidade de assistir, na TPA1 os programas são de serviço público; a TPA2 é um canal mais generalista, com programas mais modernos, digamos que é um pouco à imagem da nossa SIC no arranque do canal. A TPA2 tem, por exemplo, um programa semelhante ao curto circuito da SIC radical, que é apresentada por dois jovens a Mel e o Jeff. Tem outro, chamado Sexolândia em que a apresentadora é a Tatiana Durão, uma modelo Angolana muito famosa e tem sempre um convidado para responder a questões do público sobre os temas do programa. Tem também o Flash, onde fazem reportagens nas festas e eventos sociais, muito dinâmico e divertido. Naõ podiam faltar as telenovelas e uma das que estão na programação é a novela portuguesa “Morangos com Açúcar” mas também já têm algumas produções nacionais.

Na TPA 1 é curioso os anúncios que se fazem entre programas…tem anúncios de sensibilização à população relativa à vacinação gratuita dos animais (cães, gatos e macacos), contra o vírus da raiva. Tem outros de sensibilização e alerta para o facto de o governo estar a realizar os censos; neste anúncio, por exemplo, é feita uma encenação em que o entrevistador de censos chega a uma aldeia e o ancião tenta perceber quem é e quando o entrevistador lhe explica o que pretende fazer, o ancião recebe-o de braços abertos. Há anúncios de alerta à responsabilização, em que a encenação é um pai que chega à maternidade e inicia um rol de desculpas e argumentos à esposa por não ter chegado a tempo de assistir ao nascimento do filho, quando na verdade se vêm imagens dele a beber e na praia com os amigos. Num outro anúncio contra a delinquência juvenil, uma bailarina famosa apela aos jovens para descobrirem também o seu talento.
Há um programa, que penso que é diário, chamado “Vanguarda Policial”, em que é noticiado todas as actividades que a Polícia Nacional está a desenvolver. Há um outro, denominado “Obras Públicas” em que o governo Angolano em parceria com a TPA, divulgam obras de construção e reconstrução que estão a ser realizadas por todo o país (e não faltam temas para este programa…pois há quantidade de obras e estaleiros que se vêm por cá…).
Na próxima semana, vem cá o Papa, então há anúncios televisivos a apelar às pessoas para participarem nos eventos públicos programados para esta visita: procissão das velas, missa na Igreja de S. Paulo, estádio dos coqueiros…
A publicidade é, basicamente, institucional aliás, anúncios publicitários ainda vi poucos: moviflor, telemóveis (unitel), jornal “A bola”, empreendimentos imobiliários.

A televisão de um país, reflecte bem a sua cultura, o seu estado de desenvolvimento. Raramente tenho oportunidade de ver televisão, no entanto, das poucas vezes que vi estes dois canais, chamou-me atenção estes factos e daí achar curiosos e relata-los aqui no blogue.

quarta-feira, 4 de março de 2009

A pedido de várias famílias

É verdade....tenho tido poucas oportunidades para dar notícias.Mas como tenho recebido vários e-mail a pedirem noticias aproveito para dar uma imagem geral da minha estadia aqui.
Está tudo a correr bem e, sem duvida, que este país é de extremos. Por um lado, é um país riquíssimo em recursos naturais e minerais. Tem um potencial enorme para o turismo pois não faltam lugares belíssimos e espectaculares para explorar. Por outro, Angola é 14x maior que Portugal mas tem apenas cerca de 13 milhões de habitantes, dos quais 5 milhões estão em Luanda, em que 70% da população vive com menos de 2 dólares por dia.
A cidade de Luanda é linda mas uma das mais caras do mundo (e eu posso confirmar, pois por um jantar normal pagamos 90 dólares por pessoa). No entanto, para além da baía, só encontramos lixo, ruas esburacadas e esgotos a céu aberto por todo o lado. Mas no meio disto tudo, há os verdadeiros contrastes que são os 4x4 de luxo, com vidros fumados a passearem-se no meio dos bairros de lata (musseques), no meio das crianças que brincam nos esgotos.
Para além disso, tudo é muito complicado. Para sair de casa: temos que evidentemente levar o passaporte, verificar se temos o carro abastecido senão já sabemos que vamos passar 2h numa fila num posto de combustível (apesar de ser um país de petróleo, há pouquíssimos postos de abastecimento e nem sempre têm stock), temos que estar mentalizado que podemos ter que estar 2h em fila de trânsito para percorrer 10 Km ou menos, se houver o azar da policia nos parar vai ter que dar “gasosa” de certeza, pois mesmo que esteja tudo bem e não tenhamos cometido nenhuma infracção eles vão inventar uma nova regra de trânsito de forma a ter que lhes dar uma “notinha”, se a viagem que pretendemos fazer for longa não se podemos esquecer que não há cafés ou restaurantes, nem postos de combustível, nem casas de banho em cada esquina.
Eu estou muito bem instalada….aqui no condomínio nunca falta luz nem água…mas para além de não haver estas duas coisas essenciais em todo o lado são inúmeros os casos de pessoas que vivem mesmo no centro da capital e que constantemente se deparam com este problema.
Fantástico é verificar o crescimento e mudança que este país está a sofrer. Uma imagem que nunca vou esquecer foi, ao aterrar em Angola era noite e sobrevoamos a baía: é impressionante a quantidade de navios e cargueiros atracados a aguardar entrada no porto. Incrivel mesmo….como era noite eu só via as luzes e fiquei mesmo impressionada. A imagem era belíssima mas de qualquer forma é incrível apercebermo-nos da dependência das importações neste país.
É mesmo um verdadeiro país de contrastes….repare que eles vão construir em Luanda, uma torre em forma de A, um metro mais alta que a torre Eiffel, com hotel, shopping, apartamentos….consta-se que os apartamentos vão custar cerca de 4500 dólares o metro quadrado.
Cá trabalha-se imenso…para além de, por lei, termos que trabalhar ao sábado; trabalhamos mesmo muito. Acordamos muito cedo (nada que eu já não estivesse habituada) e trabalhamos até muito tarde (até às 21h-22h). Como veêm, as oportunidades para sair e passear não são muitas. Sinto um pouco de claustrofobia pois estamos muito fechados e com pouca liberdade. Apesar de ter carro aqui parado à porta de casa, não tenciono conduzir, pois para além do transito ser caótico eles são uns verdadeiros diabinhos na estrada. Não há prioridades, uma fila rapidamente se transforma em 4 filas, ultrapasse-se por qualquer lado…é o salve-se quem puder para ver quem chega primeiro. Mesmo que conduzisse, não tenho um cafésinho aqui mesmo ao “pé”, não tenho zonas comerciais para passear…isto é, não há nada. Quem está no centro de Luanda, sem dúvida que tem sempre mais oferta.

Beijos a todos e saudades!
P.S. - Deixo-vos esta linda imagem da serra da Leba em Lubango...que espero conhecer em breve!